Pastoral Vocacional

PV – O DESPERTAR DE VOCAÇÕES

 

A Pastoral Vocacional é uma pastoral que busca despertar, nos cristãos, vocações de serviço para o Reino, dinamizando, integrando e vocacionalizando as pastorais, promovendo atividades que auxiliem os fiéis, especialmente os jovens, a despertar, discernir e assumir maduramente a vocação a que Deus os chamou. 

O trabalho vocacional promove, também, o acompanhamento e o cultivo das vocações, através de reflexões em torno delas, de encontros vocacionais ou a busca de orientação vocacional com profissionais competentes (psicólogos ou orientadores educacionais). Ou seja, visa criar condições de orientação, amadurecimento e exercício da vocação, de tal modo que o batizado expresse seu serviço dentro das várias vocações da Igreja (sacerdotal, religiosa ou laica).

A Pastoral Vocacional não deve se descuidar da vocação laical. Ela deve caminhar junto com as demais pastorais. No corpo de Cristo, que é a Igreja, ela é o sangue que alimenta cada membro e dá força para todos os órgãos colocarem-se a serviço do todo.

 

Na Província do Rio, a Pastoral Vocacional está estruturada da seguinte forma:

            a) Na esfera provincial, há uma Equipe Central, composta pelo Promotor Vocacional Provincial e seminaristas;

            b) Nas unidades – paróquias e santuários -, a PV é composta por um padre ou irmão – Dirigente Espiritual - e agentes pastorais. Na Santo Afonso, a caminhada é feita, ainda, em consonância com a JUMIRE e alguns membros dos MLR.

 

É importante valorizar os dias das diversas vocações: mães (segundo domingo de maio); padres (primeiro domingo de Agosto); pais (segundo domingo de agosto); religiosos(as) (terceiro domingo de agosto); catequistas (quarto domingo de agosto); leigos(as) (último domingo do tempo comum, dia de Cristo Rei). Se repararam, a valorização das vocações se dá, em sua maioria, no mês de agosto, mês em que devemos refletir, principalmente, sobre a nossa vocação primeira – a de batizados.

Convidamos a todos os batizados a se empenharem em viver e testemunhar, na alegria, a sua vocação a serviço do Reino de Deus. 

Unidos, em nossas comunidades pastorais, oremos pelas vocações ao longo do ano. Mas, em especial, nos quatro domingos do mês de agosto, atendendo ao mandato de Cristo: “Pedi ao Senhor da Messe que mande operários para a sua Vinha” (Lc 10,2).

“Ficai conosco, Senhor, e nos acompanhai, apesar de muitas vezes não o termos reconhecido. Ficai conosco, porque ao nosso redor se está fazendo mais densas as sombras, e Vós sois a luz… Ficai conosco, Senhor, quando ao redor da nossa fé católica surgem as névoas da dúvida, do cansaço ou da dificuldade. Ficai em nossas famílias, iluminai-as em suas dúvidas, em suas dificuldades, consolai-as em seus sofrimentos e na fadiga de cada dia. Ficai, Senhor, com aqueles que em nossas sociedades são mais vulneráveis, ficai com os pobres e humildes, com os indígenas e afro-americanos, que nem sempre encontraram espaços e apoio para expressar a riqueza de sua cultura e a sabedoria de sua identidade. Ó Bom Pastor, ficai com nossos anciãos e com nossos enfermos! Fortalecei todos em sua fé para que sejam vossos discípulos e missionários!”

 

Preparação e Organização

1. A comunidade paroquial deve formar uma equipe vocacional que se empenhe na promoção da consciência e do clima vocacionais, favoráveis ao despertar, ao discernimento, ao acompanhamento e ao cultivo das vocações de especial consagração: Sacerdócio, religiosas, consagrados, missionárias e de fiéis leigos: casados, solteiros, consagrados.

2. A equipe vocacional seja integrada por representantes das várias pastorais, movimentos e equipes de trabalho.

3. Todo e qualquer trabalho vocacional, independentemente de quem o lidere, seja realizado sempre em comunhão.

4. A Congregação empenha-se em acompanhar, pessoalmente, aqueles e aquelas que por ela optarem.

5. Haja intercâmbio entre Pastoral Vocacional Diocesana /Paroquial e os Seminários e Casas de Formação da Congregação.

6. A pastoral vocacional tenha sua ação voltada para uma Igreja toda ministerial e aberta a todas as Congregações e Seminários.

7. Os vocacionados devem, por meios diversos, ter a possibilidade de conhecer a Congregação, seu carisma, para poderem, conscientemente, fazer a sua escolha.

8. Os párocos e agentes de pastoral estejam atentos aos sinais de vocação específica, e sejam solícitos em oferecer as melhores condições para um discernimento adequado.

9.  O despertar, o discernimento, o acompanhamento e o cultivo das vocações é tarefa de todas as pastorais e serviços, que deverão incluir este tema em seus textos e subsídios.

10. Valorizar os dias das diversas vocações: mães (segundo domingo de maio); padres (primeiro domingo de agosto); pais (segundo domingo de agosto); religiosos(as) (terceiro domingo de agosto); catequistas (quarto domingo de agosto); leigos(as) (último domingo do tempo comum, dia de Cristo Rei).

 

Celebração

1. O mês vocacional seja preparado com zelo crescente e vivido com intensidade em todas as comunidades.

2. As ordenações, profissões religiosas, celebrações de envio e de mandato dos diversos ministérios sejam bem preparados e realizados com dignidade.

3. Estabeleça-se, em cada mês, um dia de oração e reflexão sobre vocação e seja celebrado, cada ano, o Dia mundial das orações pelas vocações.

4. Sejam lembrados os aniversários de ordenação, profissão religiosa e casamento, como forma de incentivo e promoção vocacional.

 

Vivência e Apostolado

1. Que a Equipe Vocacional Paroquial, no seu todo, ajude cada membro da comunidade a assumir e preservar a vivência de sua vocação.

2. Por seu testemunho de vida, os vocacionados são os primeiros promotores vocacionais.